Procedimentos


Biópsia Hepática Percutânea


O Procedimento


A biópsia hepática para fins diagnósticos tem sido usada amplamente para diagnóstico na área de Hepatologia. A análise histológica é fundamental no diagnóstico de doenças como hemocromatose, hepatite autoimune, colangite esclerosante e cirrose biliar primária, sendo também necessária no estadiamento e controle de tratamento das hepatites virais e diagnóstico de lesão suspeita de câncer.


A Biópsia hepática pode ser feita por três técnicas, a saber: percutânea, transjugular e laparoscópica, sendo que as duas últimas são indicadas em pacientes com coagulopatia que não permitam a técnica percutânea.  A via percutânea guiada por ultra-som permite acesso à uma faixa mais larga de parênquima hepático, melhorando a escolha do local da punção, reduzindo o risco de punção de vasos sanguíneos e  órgãos adjacentes, especialmente em crianças.


A biópsia hepática percutânea é um procedimento seguro, sendo descrita uma taxa de mortalidade variando entre 0,1 e 0,01%, incluindo pacientes com neoplasias e insuficiência hepatocítica com distúrbios da coagulação. A principal causa de mortalidade relacionada ao procedimento é a hemorragia, que se apresenta clinicamente nas primeiras 6 horas após a biópsia. Há estudo sugerindo que a hemorragia precoce ocorreria na primeira hora e que a alta seria segura após 1 hora.


A biópsia hepática percutânea guiada por ultra-som é segura em pacientes selecionados, ou seja, excluídos aqueles com condições que aumentem o risco de hemorragia (6 a 10 vezes), a saber, encefalopatia, ascite, insuficiência hepatocítica com icterícia severa e evidência de obstrução biliar extra-hepática, coagulopatia significativa, doenças graves em outros órgãos tais como insuficiência cardíaca congestiva ou idade avançada.  Mesmo nestas condições os pacientes podem ir para casa no mesmo dia, não necessitando de internação.


A dor é frequente, mas geralmente bem tolerada e localiza-se principalmente no local da punção e no ombro direito. Dor  intensa pode ocorrer em 1,5 a 3,0% das biopsias.


Complicações tal como a hemorragia subclínica pode ocorrer em 0,35-1,6%  e punção de órgãos adjacentes em 0,01 a 0,1%. 


Nos últimos 23 anos, utilizamos a seguinte técnica em nosso serviço:  O procedimento é realizado a nível ambulatorial com o paciente colocado em posição supina (deitado) e após limpeza local e colocação de campo estéril, o paciente recebe anestesia local com lidocaína com ou sem epinefrina 1:20.000 guiada por ultra-som. A biópsia é realizada com agulha trucut 18G montada em pistola automática de dois estágios, que combina a vantagem de baixo risco pelo menor calibre e fornece material adequado ao exame histopatológico, também guiada pelo ultra-som. Após o procedimento, é feita observação clinica dos sinais vitais, sendo aferidos pulso e pressão arterial de 15 em 15 minutos na primeira hora associado ao exame ultra-sonográfico da área a fim de detectar líquido livre na cavidade abdominal e, após esse período a avaliação e feita de 30 em 30 minutos nas 4 horas seguintes. Ao final da observação, no mínimo 5 horas o paciente é dispensado se não apresentar instabilidade hemodinâmica, líquido livre abdominal ou outras complicações, caso aconteça, o paciente é enviado à internação hospitalar. A alta poderá ocorrer antes das 05:00 hs se não houver sinais de hemorragia.


 

Orientação:

  • A biópsia hepática deve ser realizada de preferência no período da manhã.
  • Há necessidade de sedação.
  • O Procedimento é realizado com anestesia local.
  • Serão retirados no mínimo 02 fragmentos
  • O material é  acondicionado em frascos apropriados.
  • O paciente deve trazer os exames já realizados incluindo um coagulograma recente.
  • Trazer exame de Ultra-sonografia, caso  houver.

 

Preparo

  • Tomar um café leve pela manhã, tais como chá e bolachas, à vontade.
  • Em pacientes selecionados o uso profilático antibiótico é obrigatório, principalmente os portadores de ascite, que com frequência fazem peritonite espontânea. Utilizamos o Norfloxacino 400 mg sendo um total de 06 comprimidos. Tomar 01 comp. VO de 12/12 hs.  Iniciar as 07:00 da manhã do dia do exame.

 

Recomendação


Pós-biópsia:


Após a biópsia, recomenda-se repouso por 24:00hs, pois pode ocorrer um pequeno sangramento intra-abdominal. Este sangramento é geralmente autolimitado, não exigindo nenhuma forma de tratamento.


Paciente deverá ficar, em repouso,  sem fazer exercícios físicos por um período de 07 a 15 dias e ficar afastado do trabalho pelo mesmo período dependendo da profissão. 


Clínica Dr. Rasmo © 2013 | Av. Getúlio Vargas , 86 - Centro - (34)3236-4931 | (34)3214-3409 - contato@rasmo.com.br Desenvolvido por: